27/05/2015

Festa da Caça no Casteleiro














Decorreu, nos passados dias 2 e 3 de Maio, a 4.ª edição da “FESTA DA CAÇA” que, no dizer do Presidente da Junta de Freguesia do Casteleiro, António José Marques, é para…”animar as ruas e largos da Aldeia, “dar vida” a uma freguesia, cuja população residente diminui todos os anos” e “proporcionar uma melhor qualidade de vida nos residentes.”
Concordando plenamente com as pretensões do Presidente da Junta, nós diremos, ainda, mais, a “ FESTA DA CAÇA” é um evento que, para além de chamar a si os seus filhos e forasteiros, dando-lhes a conhecer a nossa cultura, as gentes, as potencialidades agrícolas, patrimoniais, históricas e gastronómicas, através, em especial, da conceituada “Casa da Esquila”, presente também no “Largo das Festas”, contribui também algo mais para o seu engrandecimento.












Do vasto programa, com a “Largada de Pombos”, às 9 horas, deu-se início à “ FESTA DA CAÇA”, no habitual local da Serra d’Opa, para, de seguida, às 11 horas, ser a “Abertura da Área de Exposições”, com muitas e variadas barracas e tasquinhas, no alindado e espaçoso “Largo das Festas”, onde se pôde e poderá ver e apreciar um memorável monumento aos Emigrantes.
Às 13 horas, foi a “Inauguração da Festa” com a presença das diversas entidades locais e concelhia, destacando-se as boas-vindas, dadas pelo Presidente da Junta de Freguesia, António José Marques e o pedido do Presidente da Câmara do Sabugal, Eng. António Robalo ao Presidente da Junta de Freguesia, para que…“realize a “FESTA DA CAÇA” todos os anos. É mesmo um favor que lhe peço.”











De seguida, já com o estômago a dar horas, todos os participantes e presentes foram convidados para o tradicional almoço, servido, ao ar livre, na rua ao lado do Posto Médico, de porco no espeto com arroz de feijão e enchidos, bem regado com as bebidas, à descrição. 
No palco, fomos brindados com a já bem conhecida e apreciada “Desertuna” - Tuna Académica da UBI; Espectáculo pelo Grupo “Osíris”; Danças e Cantares da Vila de Carvalho”; Teatro Infantil “O Caçador e o Pescador” que, com agrado, prendeu a atenção de todos os presentes e a actuação do Grupo “Logo se Vê.”












Como não podia deixar de ser, houve a já habitual, digna de se ver, “Exposição e demonstração de Falcoaria”, a prova de “Santo Huberto”; Caminhada “Rotas dos Casteleiros”; “Passeio Equestre”; “Tiro Virtual (Lasershot)”; “Pinturas Faciais; Moldagem de Balões; Tiro com Alvo e Insuflável”, etc…
Com música a rodos, até às tantas da noite, e a serem desarmadas as barracas e tasquinhas, assim se passaram dois dias de Festa divertidos e agradáveis, a ficar na retina e lembrança de quem a viu e viveu.
Para a Junta de Freguesia e Clube de Caça e Pesca, vão, uma vez mais, os nossos melhores agradecimentos e parabéns por mais uma “FESTA DA CAÇA” com êxito.
Até à realização da 5ª edição, assim o esperamos, força.







Daniel Machado

14/05/2015

O SERINGADOR faz 150 anos - MAIO



“Vou andando de mão em mão/E a quem da terra tira o pão/Vou seringando ao ouvido/Para pôr as mãos ao trabalho/Como se lida com o malho/ Para que seja bem batido”
Maio – 31 dias: assim chamado por ser dedicado à Bona Dea ou Maia, deusa da primavera e do crescimento.
O tempo: Brusco, com vento, chuva ou trovões.
No campo, sacham-se e limpam-se as hortas das ervas ruins e regam-se convenientemente. Cortam-se os novos rebentos das fruteiras. Vigiam-se os enxertos. Castram-se os bezerros, porcos e cordeiros. Retiram-se os estrumes dos currais e transportam-se para os campos e terras de pousio. É também neste mês que se enxofram e sulfatam as vinhas. Acrescentam-se as colmeias e juntam-se as cabras com os machos.
Semeiam-se: abóboras, feijão de trepar, pepinos, melões, cenouras e plantam-se alfaces, couves variadas, pimenteiros e tomateiros.
 
 Rifões populares do mês de MAIO:
“Maio pardo e ventoso faz o ano farto e rendoso”
“Maio ventoso, faz o ano formoso”
“O que abril deixa nado, maio deixa-o espigado”
“Maio fresco e molhado é bom prá vinha e para o prado”
 
 




"A Minha Rua", Joaquim Luís Gouveia

12/05/2015


Realizou-se mais uma Festa da Caça no Casteleiro. A IV edição.
Os objectivos a que nos propusemos com este evento, iniciado em 2010, mantêm-se actuais. Afinal, tudo se resume a animar as ruas e largos da Aldeia, “dar vida” a uma freguesia cuja população residente diminui todos os anos. A progressiva desertificação a que assistimos, iniciada em 1950, quando a população do Casteleiro atingiu o máximo histórico de residentes (1578), não dá sinais de parar.
Esta é uma realidade válida para todo o Concelho do Sabugal. Não têm existido políticas concretas e efectivas tendentes a travar a diminuição da população ou, por outras palavras, criar âncoras que possam atrair novos residentes. Muito tem sido prometido mas a frieza dos números é a verdade que temos. Se nada acontecer de sério, dentro de alguns anos o Concelho do Sabugal manterá certamente o seu património histórico, mas sem gente!
Neste contexto, o que pode fazer uma pequena Junta de Freguesia como o Casteleiro? Com escassos recursos financeiros, a actividade passa por proporcionar uma melhor qualidade de vida aos residentes. É isso que temos feito desde 2009. Criar eventos como a Festa da Caça, é uma ajuda mas, sejamos realistas, é uma gota de água que se esfuma rapidamente.
Esta é a realidade que temos. Remar contra estas circunstâncias não é fácil.
Importa aqui referir a resposta que grande maioria dos casteleirenses dá a eventos como a Festa da Caça. Naturais, descendentes, amigos, nos dias da Festa rumam à Aldeia. Vêm de todos os cantos do país e mesmo de frança para participar na Festa. E a Aldeia transborda de som, as ruas enchem, os largos ganham cor. O Casteleiro vive. A todos eles um grande Bem- Haja.





"Reduto", crónica de António José Marques




Festa da Caça pela objectiva de Daniel Machado

01/05/2015

Dia da Mãe

Antes, o Dia da Mãe, aliado à celebração da Festa litúrgica da Imaculada Conceição, no dia 8 de Dezembro, passou a comemorar-se no primeiro Domingo de Maio.
Assim, este ano, o Dia da Mãe é no próximo dia 3 de Maio.
Sabendo-se que “Mãe há só uma e mais nenhuma”, esta é uma máxima, plena de verdade, que ninguém pode e poderá negar ou até duvidar.
Mãe, palavra doce e afectuosa, mãe é, quando, com amor e carinho, do seu ventre nasce e dá à luz tão pura semente, um desejado bebé que, pela vida fora, é o “ai Jesus do seu coração.”
Como prova de amor, desse amor de mãe, conta uma lenda bretã que um mau filho, tendo morto a sua mãe, lhe arrancou o coração. Chegada a noite, foi-se através da charneca para lançar o coração ao mar. Ora sucedendo que, tendo tropeçado na raiz dum junco, caiu pesadamente sobre umas pedras. Na mão ferida, o sangue da mãe juntou-se ao do filho. Esse coração que ele apertava, animou-se e falou.
Para amaldiçoar? Não. Para lhe perguntar angustiada:
-“Meu filho, estás ferido?”
É este o amor de mãe!...
Como retribuição, a melhor prenda que lhe podemos oferecer, em especial, neste dia, Dia da Mãe, é amá-la, respeitá-la, estimá-la e honrá-la, por todo o sempre.
Por mim, do fundo do coração, dedico a todas as mães este poema, extraído do meu livro “Pedaços da Minha Vida-Outros Poemas”:


MÃE!...

Mãe!...
Ao olhar para ti,
Via quão linda tu eras
E de alma pura também;  

Mãe!...
Que cheirinho
Do teu corpo vinha
E que doce mel
O teu colo tinha;

Mãe!...
Que lindo era o teu sorriso,
Quando olhava para ti
E tu para mim,
Com amor e ternura
Desse amor sem fim;

Mãe!...
Dos muitos beijinhos,
Com um chi-coração,
Que, sendo tão meigos e doces,
Não os esquecerei, não;

Mãe!...
Já que, com lágrimas
E dores, me geraste
E com amor e sacrifícios
Me criastes também,
Por tudo, obrigado,
Ó querida mãe;

Mãe é mãe!...
Mas, quando pai não se tem,
Ser mãe…
É ser mãe e pai também;

Mãe!
Morreste?
Não.
Tu estás viva e bem viva,
Para sempre,
No meu coração.

                               


Daniel Machado


20/04/2015

JUNTE-SE À FESTA DA CAÇA CAMINHANDO



O percurso inicia-se no Casteleiro, junto à Capela do Espírito Santo, local mais antigo da aldeia. Segue depois em direcção a norte por entre olivais que rodeiam esta localidade. Á medida que nos afastamos, os campos deixam de ser cultivados e os matos rasteiros proliferam. Entramos na antiga calç...ada medieval que se dirige a Sortelha e inicia-se uma subida suave até à Quinta das Parturas, pequeno aglomerado populacional próximo de Sortelha. Daqui até á aldeia histórica, o percurso faz-se por uma subida moderada com inúmeros troços de calçada relativamente bem preservados. Entra-se na muralha pela “Porta Nova” e percorre-se a artéria principal deste burgo medieval muito bem preservado. Antes de regressarmos ao Casteleiro, percorremos parte da Pequena Rota 7 “Caminho histórico de Sortelha”, aproveitando um belo trilho por entre grandes blocos graníticos e que nos levará novamente à calçada medieval em direção ao Casteleiro.


12/04/2015

FESTA DA CAÇA - Programa


Nos próximos dias 2 e 3 de Maio as ruas e largos do Casteleiro voltam a ganhar cor e muita animação coma realização da IV edição da Festa da Caça, uma iniciativa promovida pela Junta de Freguesia.
Dois dias repletos com eventos com eventos ligados à caça (Largada de Pombos, Prova de Santo Huberto, exposição de cães e demonstração de falcoaria), mas também muita animação musical (Grupo de Acordeonistas, Grupo de Bombos de Vales do Rio, Danças e Cantares da Vila do Carvalho e, ainda, a actuação da Desertuna-Tuna Académica da UBI e dos Grupos “Osíris” e “Logo se vê”.
No dia 3, domingo, realizar-se-á um Passeio Equestre por terras do Casteleiro e, em colaboração coma Câmara do Sabugal, a Caminhada “Rota dos Casteleiros”, com um percurso em direcção a Sortelha, através da calçada agora recuperada e regresso ao Casteleiro.
Nesta IV edição, a Festa da Caça conta com uma área de exposições de 45 pavilhões, com enfoque nos produtos locais e regionais, tasquinhas, artesanato e produtos relacionados com o sector da caça, com destaque para o Tiro Virtual (lasershot).
Igualmente os mais novos terão um espaço e actividades próprias, nomeadamente pinturas faciais, modelagem de balões, jogos tradicionais, leitura de contos e desenho bem como a apresentação da peça infantil “O Caçador e o Pescador”.

Nos dias 2 e 3 de Maio aceite o desafio, participe na Festa da Caça, visite e parta à descoberta da secular aldeia de Casteleiro!


01/04/2015

O SERINGADOR faz 150 anos - Abril


“É seringando que ensino/Como se planta o pepino/Os tomates e a beringela,/Pois em qualquer estação/Para haver boa produção/É com a minha seringadela.

Abril vem do latim Aperire, abrir: é o mês em que abrem os botões.
O tempo estará vário.
Para trás ficaram os dias e as noites escuras e frias. Com o equinócio da Primavera (20 de Março), a hora mudou. Os dias já são maiores, as manhãs mais claras e as tardes solarengas. A contrastar com o cinzento invernoso, os campos encontram-se repletos de cor, cheiros … de vida. Agora, a natureza desafia o homem para a sua festa – a festa das flores! Quem resiste a tamanha beleza?
Há que arregaçar as mangas: tratar das árvores de fruto, retirar-lhes os rebentos gulosos e ladrões e combater as pragas florestais. As terras de pousio devem ser remexidas para receber novas sementeiras. A poda das videiras deve estar concluída. É altura de cavar as vinhas.
Devem iniciar-se as sementeiras de milho nas terras secas. Quem quiser, é altura de semear o linho, pepinos, alhos-porros e alfaces.
Neste mês limpam-se as colmeias das aranhas e afins.

Rifões populares do mês de ABRIL:
“Água que em abril ficar, no verão há-de regar”
“Vinha que rebenta em abril dá pouco vinho para o barril”
“A sardinha de abril é vê-la e deixá-la ir”






“A Minha Rua”, Joaquim Luís Gouveia




18/03/2015

Dia da Mulher no Lar de São Salvador



No âmbito da comemoração do Dia Internacional da Mulher, desenvolveu-se um pequeno debate com os utentes nas instalações da Associação do Lar e Centro de Dia de São Salvador subordinado ao tema “O papel da Mulher na sociedade atual”.
Este assunto suscitou junto dos nossos utentes uma grande adesão onde o interesse, a curiosidade e novos fatos apresentados, criaram uma dinâmica de interação entre utentes e moderadoras. As utentes da associação foram presenteadas com uma flor em tecido, elaborada na instituição de forma a homenagear todas as mulheres. 

No passado dia 8 de Março realizou-se também um jantar de comemoração do Dia da Mulher, destinado a todas as colaboradoras e respetivas famílias. Num ambiente de convívio e animação a noite foi de confraternização entre todos os presentes. As colaboradoras da instituição foram também presenteadas com uma flor. 



16/03/2015

Dia do Pai



O DIA DO PAI, aliado à celebração da Festa litúrgica de S. José, esposo da Virgem Maria e Pai adoptivo do Menino Jesus, comemora-se no dia 19 de Março.
Para com alegria e comemoração deste dia 19 de Março, DIA DO PAI, dedico a todos os pais, com consideração e estima, este poema, extraído do meu livro ”Pedaços da Minha Vida-Outros Poemas”:
 
SER PAI…

Ser pai…
Fruto de uma união,
É ter um filho
Com amor e paixão;

Ser pai…
É, com esperança, ter
Um dia feliz,
Quando o filho nascer;

Ser pai…
É partilhar, nas tristezas e nas alegrias,
Com todos
E todos os dias;

Ser pai…
É saber ouvir serenamente,
Para ser ouvido também
Por todos atentamente;

Ser pai…
É perdoar, para ser perdoado,
Quando, por outro caminho,
Andar desencaminhado;

Ser pai…
É amar a esposa e os filhos também,
E, porque não,
Com todos dar-se bem;

Ser pai…
É sorrir com rasgos de harmonia,
Para que no lar
Haja paz e alegria;

Ser pai…
É trabalhar e abrir o coração,
Para que em casa
Haja amor e não falte o pão;

Ser pai…
É unir a família, afinal,
Com a palavra e o exemplo,
E, por todos seguido, por igual;

Ser pai…
É para Deus o devido agradecimento,
Por ser um pai assim,
E para a família, reconhecimento;

Pai é ser pai…
Mas, quando não se tem mãe
Ser pai…
É ser pai e mãe também.






Daniel Machado




03/03/2015

O SERINGADOR faz 150 anos - MARÇO



150 anos é o tempo que nos separa desde a fundação do SERINGADOR até aos nossos dias. Reportório que ainda hoje apresenta o seu formato inicial, impresso a preto sobre a folha de papel A4 branca dobrada ao meio.
Antigamente podia ser comprado nos mercados (Sabugal, Belmonte…) ou comércios onde se vendia um pouco de tudo; refiro-me a título de exemplo “o Depósito – o melhor do comércio local de então”, no Sabugal, local onde atualmente se situa a Caixa de Crédito Agrícola Mútuo. Hoje podemos encontrar o SERINGADOR em qualquer papelaria ou quiosque de venda de jornais.
Com base neste auxiliar e com ajuda da sabedoria do nosso povo aqui vos deixo alguns conselhos úteis para o mês de MARÇO.

MARÇO – dia 20, chegada da primavera (22h 45min)
Algum frio, pouca chuva e tempo nublado. Tempo variado.
No jardim devem ser podadas as roseiras, devendo ser cortadas na ligação com o pé-mãe e aproveitar as varas cortadas para plantação.
Na adega o vinho deve ser passado a limpo, retirando-o das borras.
No campo plantam-se as batatas e semeiam-se espargos, morangueiros, pepinos, melões, milho, alfaces, cenouras, linho e grãos. Nas terras quentes devem plantar-se as figueiras. Deve-se plantar o cebolo. Enxertam-se damasqueiros e pessegueiros.

Rifões populares do mês de março:
“Páscoa em março, ou fome ou mortaço”
“Quando troveja em março, semeia no alto e no baixo”
“Em março chove cada dia um pedaço”
“março pardo, antes enxuto que molhado”







 "A Minha Rua", Joaquim Luís Gouveia



01/03/2015

FESTA DA CAÇA - 2 e 3 de MAIO de 2015

Iniciamos hoje a apresentação do Programa
 da Festa da Caça do Casteleiro.

DIA 3 de MAIO - 08.30H

PROVA DE SANTO HUBERTO

Está já assegurada a realização de uma prova de Santo Huberto na Festa da Caça do Casteleiro organizada pela Federação de Caça e Pesca da Beira Interior. Uma prova que conta para apuramento do campeonato nacional.
As provas de St Huberto são direccionadas a caçadores com cão de parar que, num determinado percurso definido pelo juiz, são avaliados pelo desempenho de cão e caçador. Neste tipo de prova são aspectos avaliados pelos juízes a forma correcta de abordar o terreno a caçar, o respeito pela natureza, o cumprimento das regras de segurança que devem ser observadas no decorrer do acto venatório, o espírito desportivo, a ética, o sentido ecológico do caçador, a ligação com o seu cão, a forma como este sinaliza a caça (paragem), obedece às ordens, respeita o levante da caça e o tiro, a forma como cobra a peça abatida e a entrega ao dono.





22/02/2015

Faz hoje 300 anos houve boda na Aldeia!



Casteleiro, 22 de Fevereiro de 1715. Faz hoje exactamente 300 anos. Era sexta-feira. Na aldeia, alguns dos cerca de 450 habitantes devem ter interrompido os trabalhos do campo. Havia casamento e, certamente, boda na casa da noiva.
Manuel de Proença, (viúvo de Maria Esteves de Peraboa), filho de Manuel de Proença e Maria da Costa, casou com Luísa Cerveira, do Casteleiro, filha Manuel Luís Agostinho (de Famalicão) e de Maria Cerveira natural do Casteleiro. O padre cura foi António Luís de Brito a as testemunhas outros dois padres residentes na aldeia: Sebastião Pires e Manuel Mendes.
Mas este foi um mês com três bodas. No domingo anterior, 17 de Fevereiro, tinham casado Manuel Fernandes com Isabel Gonçalves. Ele, natural da Capinha e ela do Casteleiro, filha de Francisco Gonçalves e Ana Lourenço. As testemunhas foram António Fernandes Bernardo e Pedro Vicente.
Também no dia 28 de Fevereiro, Pascoal Rodrigues casou com Teresa Lourenço, ambos naturais e residentes no Casteleiro. Ele, filho de António Rodrigues e Maria Pinto e ela filha de Manuel Cerveira e Maria Lourenço. As testemunhas foram o padre Manuel Mendes e Pedro Vicente.
Há 300 anos, três casamentos no espaço de dias. E, assim, crescia a Aldeia!
Onde estão e quem são os descendentes destas famílias?






"Reduto", crónica de António José Marques




Nota: O Reduto do Casteleiro, que dá título a esta crónica, terá sido ponto central da Aldeia. Esse facto será oportunamente demonstrado com evidências. Assim como a existência, essa documentada militarmente como local fortificado, de um outro Reduto no arrabalde da Aldeia.


13/02/2015

Domingo há "Testamento do Galo"


O Centro de Animação Cultural do Casteleiro, em conjunto com os meninos da catequese, vai realizar o tradicional evento do “Testamento do Galo”, no próximo domingo, dia 15, pelas 14.30h, no Largo de São Francisco.

Está convidada toda a população e amigos para vir aplaudir os mascarados e ouvir as dedicatórias do famoso “Testamento ”.


12/02/2015

O SERINGADOR faz 150 anos


Com o seu “Reportório Crítico-jocoso e prognóstico”, o SERINGADOR faz agora 150 anos. É um almanaque que ao longo do tempo tem granjeado muitos leitores, uns para acompanharem as previsões meteorológicas, outros para seguirem os conselhos do calendário agrícola ou ainda para saber quando são os mercados e feiras lá da vila.
Com base neste auxiliar e com ajuda da sabedoria do nosso povo proponho-me deixar aqui, mensalmente, alguns conselhos a nível da meteorologia e dos trabalhos agrícolas.

FEVEREIRO: Bom tempo. Tempo húmido. Tempo frio.
Acabam-se as podas e lá para o fim do mês iniciam-se as enxertias. Planta-se o cebolo.
As terras que irão receber as sementeiras já devem estar lavradas, devendo agora ser revolvida novamente para arejar. Surriba-se a terra para plantar vinhas e pomares. Deve-se estrumar a terra para os batatais. Enxertar macieiras, pereiras e outras árvores semelhantes. Plantar laranjeiras e limoeiros, álamos e loureiros. Semeia-se aveia, rabanetes, couve-flor, brócolos, repolhos, cenouras, cebolas, espinafres, beterrabas para temporão.

Rifão popular do mês de fevereiro:
“Para fevereiro, guarda a lenha no quinteiro”
“Lá vem fevereiro, que leva a ovelha e o carneiro”
“Chuva de fevereiro vale em estrumeiro”

… até ao próximo mês março!







"A Minha Rua", Joaquim Luís Gouveia




07/02/2015

Rastreio de visão prossegue todas as semanas
























Prossegue a bom ritmo o rastreio de visão de toda a população do Casteleiro. Agora, todas as quintas-feiras, profissionais da área detectam, encaminham e propõem soluções para as patologias encontradas.


02/02/2015

Nossa Senhora das Candeias



Hoje, dia 2 de fevereiro celebra-se a Nossa Senhora das Candeias. Como diz o povo "se Nossa Senhora das Candeias estiver a rir está o Inverno para vir, se estiver a chorar está o Inverno a passar", ou seja, a presença de um dia solarengo pode ser mau presságio pois tal significa que ainda temos mais uns tempos de invernia.
Esta celebração da Senhora das Candeias está, sobretudo, relacionada com a importância do azeite, quer como elemento fundamental na dieta mediterrânica, quer como produto utilizado na cura de algumas doenças, quer ainda como produto utilizado em práticas religiosas. Por fim, é preciso não esquecer a importância do azeite para alumiar, dar luz, sobretudo num tempo, já longínquo, em que a eletricidade ainda estava distante das nossas aldeias do interior. Assim, em dia de Nossa Senhora das Candeias é tempo de agradecer o azeite conseguido na temporada anterior e pedir um ano cheio de azeite pois este é bem precioso e é preciso agradecer esta dádiva.
Como hoje o tempo está mais para chorar do que para rir, talvez seja um bom sinal para o inverno abalar e preparar a natureza para o “milagre da multiplicação”.






"A Minha Rua", Joaquim Luís Gouveia