01/09/2019

UM CASAMENTO EM 1690


Em 31 de Agosto de 1690, faz hoje exactamente 329 anos, houve festa e boda no Casteleiro.

Aos trinta e um dias do mês de Agosto da era de mil seiscentos e noventa anos se receberam em face da igreja por palavras de presente na paróquia do Salvador deste lugar de Casteleiro perante mim o padre cura e testemunhas abaixo nomeadas, Manuel Dias filho de João Gonçalves e Isabel Dias com Maria Cerveira filha de João Cerveira e de sua mulher Isabel Gomes todos meus fregueses e moradores neste lugar, foram testemunhas o padre licenciado João Proença da Fonseca e outro padre Manuel Mendes deste dito lugar e outros moradores , por ser verdade fiz este assento que assino dia mês e era ut supra.
O padre cura Bernardo Nunes Peixoto”


Os pais do noivo, João Gonçalves (filho de João Fernandes e Maria Fernandes) e Isabel Dias (filha de Bartolomeu Dias e Maria Gonçalves) tinham casado em 23/11/1669. Tiveram, pelo menos, mais uma filha, Maria, nascida em 24/10/1678. Os pais da noiva, João Cerveira (filho de João Cerveira e Brites Jerónimo) e Isabel Gomes (filha de Manuel Gomes e Maria Fernandes) tinham casado 27/1/1675.
No ano seguinte ao casamento, em 7/11/1691, o casal teve a sua primeira filha de nome Maria e nove anos depois, em 22/8/1700 nasceu a Isabel.
No entanto, segundo um assento de casamento que se reproduz, ambos terão falecido antes de 1704. E em 31/1/1704, com apenas 13 anos, a sua filha Maria casa com Manuel Gonçalves com 21 anos (nascera em 5/10/1682), filho de Domingos Gonçalves do Olival e de Isabel Lourenço. Em 10/7/1715, Maria já com 24 anos tem a sua primeira filha, Maria.


Aos trinta e um dias do mês de Janeiro de mil setecentos e quatro nesta igreja do Salvador deste lugar do Casteleiro em presença de mim o licenciado Padre João Pinto de Fonseca Cura da dita Igreja e das testemunhas abaixo nomeadas e assinadas o padre Domingos Pinto da Fonseca, Manuel Cerveira e Marcos Gomes todos deste lugar e muita mais gente que presente esteve, em face da igreja conforme dispõem o Sagrado Concílio Tridentino e Constituições deste Bispado da Guarda, se casaram por palavras de presente Manuel Gonçalves, solteiro, filho de Domingos Gonçalves do Olival e de sua mulher Isabel Lourenço já defunta e Maria Cerveira, solteira, filha de Manuel Dias e de sua mulher Maria Cerveira já defuntos moradores neste lugar de Casteleiro e dele naturais os dito contraentes, de que fez este assento o licenciado Padre João Pinto da Fonseca que o escrevi.”

Factos reais de famílias casteleirenses!







"Reduto", crónica de António José Marques




29/07/2019

Projecto "CASA DA MEMÓRIA" aprovado


O projecto “Casa da Memória do Casteleiro” de iniciativa da Junta de Freguesia do Casteleiro foi aprovado no âmbito de uma candidatura apresentada ao Programa Leader, na área “Desenvolvimento Local” do PDR2020.

A “Casa da Memória” será instalada no edifício da velha escola primária do Casteleiro, património de referência da Aldeia, que se encontra há muito fechada e em adiantado estado de degradação e cujo projeto de remodelação, arquitetura e especialidades se encontra já aprovado pela Câmara do Sabugal.












Vai finalmente ser possível reabilitar e recuperar este edifício, adaptando-o e criando de raiz a “Casa da Memória do Casteleiro”, um espaço que se pretende seja um repositório fiel de objectos, documentação e tradições do passado, preservando e divulgando deste modo a memória colectiva da Freguesia.













O espaço reunirá um vasto e variado conjunto de elementos representativos da vida diária e tradições da Aldeia, nomeadamente ligados à actividade agrícola, aos usos e costumes da população, ao ambiente caseiro e também espólio documental, documentos antigos maioritariamente recolhidos na Torre do Tombo, fotos, livros, etc…
A “Casa da Memória do Casteleiro” será um núcleo representativo da memória da Aldeia, destinado a todo o público, assumindo-se como pólo de atratividade cultural e dinamizador de visitantes, alunos de escolas e outros, aliando desta forma a recuperação do património a um efectivo enriquecimento cultural da Aldeia, do Concelho e da Região.
Pretende-se atingir esse objectivo com uma eficaz e eficiente divulgação, através de material gráfico e outro, que promova a “Casa da Memória” e o que o visitante ali pode encontrar e que, simultaneamente, divulgue o percurso do projecto tendo por base a recuperação do que foi uma escola primária durante décadas.





26/07/2019

Parque Infantil

A partir de hoje as crianças do Casteleiro passam a dispor de um espaço infantil com alguns equipamentos certificados e homologados segundo a legislação em vigor.
Este parque, localizado no novo largo, é uma iniciativa da Junta de Freguesia do Casteleiro que há muito estava programada e que agora foi possível concretizar.
Casteleiro, Terra com Futuro!



 

24/06/2019

Sardinhada de São Pedro


Como de tradição, a Junta de Freguesia de Casteleiro realiza a sardinhada de São Pedro. No próximo domingo, dia 30 de Junho, a partir das 17h, no Largo de São Francisco. Uma sardinhada para toda a população.



10/05/2019

FESTA DA CAÇA - Dia 18

Dia 18 a Festa começa com uma Largada.


FESTA DA CAÇA - Dia 19

Integrado no programa da Festa, realiza-se no dia 19 durante a manhã, uma Prova de Santo Huberto. Uma iniciativa da Federação de Caça e Pesca da Beira Interior e apoio do Clube de Caça e Pesca do Casteleiro e Junta de Freguesia.




05/05/2019

FESTA DA CAÇA - Dia 19

Dia 19, domingo, a tarde vai animar
com a já tradicional presença da DESERTUNA -
Tuna Académica da Universidade da Beira Interior
 
 
 

04/05/2019

FESTA DA CAÇA - Dia 19

Domingo à tarde, dia 19 de Maio,
 o Rancho Folclórico da Boidobra
 marca presença na Festa.
 
 
 

22/04/2019

FESTA DA CAÇA - Animação Musical


VI EDIÇÃO DA FESTA DA CAÇA

Nos próximos dias 18 e 19 de Maio, a Junta de Freguesia de Casteleiro leva a efeito a VI edição da Festa da Caça, um evento de âmbito regional este ano sob o signo do Olival. Com um formato renovado, a Festa da Caça deste ano integra a realização de evento inédito no dia 19, às 10h: Um Passeio Canino por entre os Olivais da freguesia com conversas sobre Caça, Natureza e Ambiente, a diversidade dos Cães de Caça e o Olival e a tradição da Caça nas Terras Quentes do concelho do Sabugal. Também, no dia 18 a partir das 09h.30, terá lugar a iniciativa “Pintar Casteleiro” com a presença de algumas dezenas de pintores que vão passar para a tela as cores da Aldeia.
Animação musical, produtos locais e regionais, artesanato, gastronomia e pratos de caça, show cooking de azeite e uma área reservada aos mais novos com cerca de 200m2, são outros dos motivos para reservar já na sua agenda uma ida ao Casteleiro.

FESTA DA CAÇA - "CÃOsteleiro"

Inserido na Festa da Caça que este ano terá lugar nos dias 18 e 19 de Maio, a Junta de Freguesia de Casteleiro promove no domingo, dia 19, às 10h, a primeira edição do “CÃOsteleiro”, um passeio canino sob o signo do Olival num percurso com três paragens onde se falará de Caça, do Azeite, de tradições e de Cães de Caça. Aberto a todos os interessados, com ou sem a sua companhia canina.
 
 

13/02/2019

Queimas de mato


A Junta de Freguesia informa que todas as queimas e queimadas de matos está obrigatoriamente sujeita a comunicação prévia à Câmara Municipal. Deste modo quem tiver intenção de realizar uma queima, fogueira, de sobrantes deverá comunicar o facto ao Gabinete Técnico Florestal ou através do telefone 271751040.



27/01/2019

Quinta do Ameal foi o primeiro nome da Quinta de Santo Amaro


Em 9/7/2013 publiquei neste espaço um documento inédito  do primeiro numeramento do reino, feito entre 1527 e 1532, de todos os lugares do então termo de Sortelha. Lá constava o Casteleiro com 52 fogos e outras quintas e casais. No entanto, a quinta de Santo Amaro não constava….
E não era referida porque tinha outro nome: “Quymtam do Ameall”, com 2 fogos.
 
A Quinta do Ameal foi um prazo da Comenda do Seixo Amarelo da Ordem de São Bento de Avis. Pelo menos em 1396 já pertencia à Ordem, já que D. Afonso IV a escusou de impostos por estar despovoada. Na ocasião estava aforada a Fernão Gomes Góis.
Os caminhos de quando se investiga o passado são sempre imprevisíveis. E eis que é hoje possível saber e tornar público parte da estória de como a família Costa Lobo chega a esta Quinta que até hoje conhecíamos apenas por Quinta de Santo Amaro.
 
 
Gregório Tavares da Costa, filho de Luís Tavares da Costa e Inês de Cáceres, Capitão Mor da Covilhã, Fidalgo da Casa Real, casou primeira vez com Maria de Campos, viúva de António Camelo Botelho que detinha o aforamento da Quinta. Este tinha herdado esse aforamento de seu pai, Nuno Camelo, em 1591, que o tinha herdado de sua mãe D. Constança Afonso de Proença em 1538, que esta recebera em 1530 por morte do marido, Jorge Álvares.
Maria de Campos deixa em 1624, por 3 vidas, o aforamento da Quinta a seu marido Gregório Tavares da Costa. Este é o momento que vai ditar a posse da Quinta do Ameal e mais tarde de Santo Amaro à mesma família por mais de três séculos.
Por morte de Maria de Campos, em julho de 1653, Gregório Tavares da Costa casa com Catarina Pinto Lobo em 15/5/1655, na Covilhã. Catarina Pinto Lobo, filha de Francisco Pinto Lobo, de Seia, e Inês Mendes, da Covilhã, descendente dos Senhores da Quinta de Carragosela de Santa Comba (Seia).
Em 30/11/1678, Gregório Tavares da Costa Lobo (passa a usar o apelido da esposa), obtém o aforamento em seu nome, por mais três vidas. Fica a pagar a renda de 1220 réis, a entregar no dia de Natal. Faleceu em 26/2/1684 e sucedeu-lhe seu filho Luís Tavares da Costa Lobo.
Este é, apenas, o início da estória da posse da Quinta até ao seu último proprietário José Caetano Tavares da Costa Lobo, nascido em 2/11/1876, oitavo neto de Gregório Tavares da Costa Lobo, por todos conhecido pelo “Morgado de Santo Amaro”.
 
Mas, seria mesmo Morgado?
 
 
"Reduto", crónica de António José Marques
 
 

07/01/2019

Passagem de Ano na Casa da Esquila



Ano após ano, a PASSAGEM DE ANO NA CASA DA ESQUILA, no Casteleiro - Sabugal, tem-se vindo a realizar e a afirmar como uma das melhores e mais acolhedoras da região.
Assim, este ano, com lotação esgotada, ultrapassou as nossas expectativas, no embelezamento e aconchego do Salão, onde com música ao vivo, boa disposição e alegria, foram servidos com eficiência e rapidez os tão requintados e apetitosos pratos “gourmets”, de acordo com as ementas, colocadas nas mesas para serem consultadas, assim:

AS ENTRADAS DA ESQUILA, com bebidas à descrição, na Sala do “Gourmet”
NO SALÃO
- Folhado de Camarão com salada de citrinos
- Filete de Robalo com trouxa de tomate e Arroz selvagem
- A delícia do porco criado a bolota numa harmonia com trufas verdadeiras
- Regresso ao Passado, Morango, Chocolate e Baunilha
- Café e Digestivos
- Passas e Espumante
BUFFETS DA NOITE, com bebidas à descrição, na Sala do “Gourmet”

 

Após o Buffets da noite, com um até para o ano e votos dum BOM ANO, para todos aqueles que contribuíram para o excelente e eficiente serviço, na pessoa do seu proprietário e prestigiado Chef Rui Cerveira, os nossos sinceros agradecimentos.
Até para o ano.

Daniel Machado